Mensagem de Natal do Mestre da Ordem

4º Domingo do Advento

Roma, 20 de Dezembro de 2020

Prot. 50/20/614 Cartas à Ordem

 

 

Caros irmãos e irmãs,

O Natal, seja numa época de pandemia ou de prosperidade, é uma celebração da proximidade impenetrável de Deus que habita com e entre nós; uma acção de graças ao nosso Deus generoso que se dá a si próprio como presente.

Este ano do Senhor 2020 é verdadeiramente inesperado, sem precedentes, inesquecível. A maioria de nós celebrou o Tríduo da Páscoa, confinado dentro de portas trancadas; os nossos corações cheios de ansiedade sobre um futuro incerto. Mas depois, virámos os nossos pensamentos e pusemos os olhos da nossa fé para o nosso Senhor Ressuscitado que entra por portas trancadas, cumprimenta-nos com a sua paz e desafia-nos a não ter medo.

Agora celebramos o Natal, ainda lutando contra este vírus, protegendo-nos a nós próprios e aos nossos entes queridos, mantendo uma distância caridosa uns dos outros. O nosso canto de Venite adoremus é abafado por máscaras e escudos faciais. São Paulo exorta-nos a contemplar com “rostos desvelados” (2 Coríntios 3,18) a glória de Deus. No entanto, este ano, adoramos a beleza do Rei recém-nascido com rostos cobertos. Embora as nossas celebrações possam ser esparsas e simples, tomamos esperança e consolo ao comemorar o nascimento do Emanuel, o Deus que está “mais próximo de nós do que nós próprios” (Santo Agostinho, Confissões III, 6, 11).

As nossas recordações mais queridas do Natal são da nossa infância, quando as árvores de Natal pareciam sobre nós, quando alguns pedaços de doces pareciam uma abundância de coisas doces nas nossas pequenas mãos. Quando envelhecemos, apercebemo-nos que o Natal não se trata de festejar com comida deliciosa, mas de partilhar comida que alimenta a fome dos nossos corpos e satisfaz a fome das nossas almas por companheirismo e amizade; que o Natal não se trata da troca de presentes materiais, mas do presente da presença, do tempo, das conversas, de estarmos simplesmente juntos como nossos irmãos e irmãs, com a família e amigos.

Contudo, a questão permanece: Como pode haver alegria natalícia numa época de pandemia? Em muitas casas e comunidades, incluindo alguns dos nossos próprios conventos, temos agora lugares e espaços vazios, lembrando-nos de entes queridos que perdemos este ano. Não haveria festas de Natal porque o dinheiro tem sido escasso devido à perda de empregos e contracções económicas. Devido às restrições de viagem e de movimento, os idosos sentiriam muito a falta das visitas e do abraço dos seus entes queridos. Máscaras protectoras esconderiam os sorrisos brilhantes das pessoas a cantar canções de Natal, como “luzes escondidas debaixo de um alqueire” (Matt. 5:15) que não poderiam iluminar completamente estas noites escuras de Dezembro. Como pode haver alegria de Natal numa época de pandemia?

A nossa alegria seria plena, como assegura o discípulo amado, se pregássemos o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos… e tocámos com a nossa mão, a Palavra da vida… tornada visível (I João 1:1,3-4).

Isto é eloquentemente retratado pela bela pintura da Irmã Orsola Maddalena Caccia – da Mãe Santíssima permitindo a São Domingos ver e tocar o menino Jesus, como uma mãe orgulhosa deixando uma querida amiga segurar o seu precioso recém-nascido. Esta é a beatitude de Domingos, a alegria de pregar Aquele que ele ouviu, viu, e tocou, o Verbo Encarnado.

Este Natal, ao embarcarmos na nossa celebração do centenário da morte Natalis de São Domingos, perguntamo-nos: como é que ouvimos, vimos e tocámos na Palavra este ano? Em muitos lugares, o som incessante das sirenes tornou-se um resto da pandemia. Mas também significava que os trabalhadores da saúde continuavam a ajudar os doentes.

Aprendi com um frade aqui em Santa Sabina sobre a bela palavra alemã para enfermeiro: krankenschwester, que significa literalmente “irmã dos doentes”. Uma pessoa doente não é apenas um doente, mas um membro da família, um dos nossos. Em tempos de catástrofe, vemos sempre pessoas que ajudam e cuidam de pessoas. Quando as coisas se desmoronam, devemos sempre procurar os “ajudantes”, pessoas que nos fazem sentir que tudo estará bem mesmo perante a adversidade; dão-nos esperança. Certamente, é bom ver um deles quando olhamos para o espelho!

Nos últimos tempos, mesmo antes da pandemia, a proximidade e o toque têm sido tratados com suspeita. Podem ser sinais de abuso. Com a ameaça da COVID19, tornaram-se actos de contágio e de perigo de contágio. A malícia manchou o toque e tornou a proximidade como sendo arriscada e imprudente, a caridade táctil tornou-se tabu e terrivelmente ofensiva. Paradoxalmente, a manutenção de uma distância segura como protecção e prevenção da transmissão viral transformou-se num sinal sincero da nossa “proximidade”, e numa preocupação genuína pela saúde e segurança dos outros.

Estou contente por, nestes tempos difíceis, termos ouvido e visto as múltiplas pregações e obras de caridade dos nossos irmãos e irmãs, tocando os corações de tantos.

A alegria do Natal é um presente que nos espera quando pregamos Aquele que ouvimos, vimos e tocámos. Não é de admirar que, desde os primeiros tempos da nossa Ordem, tenhamos rezado:

Que Deus Pai nos abençoe,

Que Deus, o Filho, nos cure,

Que Deus, o Espírito Santo nos ilumine e nos dê

olhos para ver com,

ouvidos com os quais se pode ouvir,

mãos para fazer o trabalho de Deus,

pés para andar,

e uma boca para pregar a palavra de salvação com…

Para nós, cristãos, as trevas terminam quando vemos nos nossos irmãos e irmãs, em todos, especialmente nos pobres, a própria presença do próprio Jesus. Esta é a verdadeira celebração do Natal – para proclamar a nossa fé no Emanuel, o Deus-quem-é-com-eu, o Deus-quem-é-na-aqui-e-todos nós. A questão para nós neste Natal não é apenas “quem é Jesus para nós?” mas “onde está Jesus nos nossos semelhantes? Ele é Emmanuel!

Que a luz de Cristo brilhe através de nós,

para dissipar a escuridão que nos rodeia, dentro de nós.

Um Natal abençoado para vós e para todos os que vos são queridos!

O vosso irmão,

Gerard Francisco Timoner III, OP


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: