Madre Inês Champalimaud Duff

Madre Inês Champalimaud Duff (1836-1909)

A Mãe dos pobres

No passado dia 8 de Maio, concretizou-se um sonho de alguns anos, foi inaugurada, em Aveiro, a Rua Madre Inês Champalimaud Duff. Presentes o Sr. Bispo, D. António Moiteiro, o Sr. Presidente da Câmara, Eng. Ribau Esteves, alguns Vereadores e um grupo de Irmãs Dominicanas. A homenagem começou com a celebração da Eucaristia, presidida pelo Sr. Bispo D. António Moiteiro, na Sé Catedral, antiga Igreja do Convento dos Dominicano, e a ida ao seu túmulo no Cemitério Central de Aveiro.

“A Mãe dos pobres”. Era assim que era conhecida pelo povo de Aveiro e é assim que gosto de recordar a Madre Inês. Foi esse o testemunho que deixou na cidade dos canais e foi esse o principal motivo que nos congregou nesta homenagem.

Sabemos que atrás de cada nome há uma história de vida! Uma vida com significado, uma vida que vale a pena perpetuar, guardar memória e conhecer. A Madre Inês C. Duff deixou rasto nesta cidade – na qual não nasceu – mas onde passou cerca de 25 anos e que adoptou como sua, a exemplo da Stª Joana Princesa. Como Stª Joana, a Madre Inês deixou Lisboa e foi viver para Aveiro; como ela, amou Deus acima de tudo e a Ele se consagrou; ambas amaram S. Domingos e escolheram a Ordem Dominicana para fazerem a sua consagração; ambas se dedicaram à protecção e ajuda aos mais pobres. Foi no mesmo edifício, o Mosteiro de Jesus que viveram longos anos, dedicadas à oração e a fazer o bem. Foi aí nessa pacífica casa que as duas adormeceram no Senhor, com fama de santidade. Se no funeral de Stª Joana, (Maio de 1490) como conta a lenda, as árvores choravam, as folhas caíam; no da Madre Inês Duff (Dezembro de 1909) o povo chorava-a com a expressão: Morreu a mãe dos pobres.

Duas mulheres dominicanas que marcaram, em tempos diferentes a bela cidade de Aveiro. Stª Joana é bem conhecida e amada, desde longa data nessa sua cidade de que é padroeira. A partir de agora, a cidade quer tornar também viva e perpetuar a memória da Madre Inês Champalimaud Duff, perpetuar a sua memória sobretudo pela dimensão da sua caridade e solidariedade, pelo testemunho do Evangelho que ali deixou.

Nascida em Lisboa, em 1836, amiga de Teresa de Saldanha – a fundadora da Congregação das Dominicanas – e sua colaboradora na obra educativa da Associação Protectora das Meninas Pobres, ambas percorreram as ruas e os bairros mais pobres da capital, auxiliando os necessitados.

Sentindo-se seduzida por Jesus, Josefina, seu nome de baptismo, partiu para a Irlanda a 29 de Novembro de 1868, para fazer a formação inicial, o Noviciado, na Congregação Dominicanas de Stª Catarina de Sena. Professou, em Drogheda, no dia 4 de Maio de 1870, há 151 anos, e regressou a Portugal em Dezembro do mesmo ano. Exerceu uma influência relevante nas primeiras Irmãs da Congregação, quer como Mestra de Noviças, quer como conselheira e colaboradora de Teresa de Saldanha, na orientação da Congregação.

Desenvolveu enorme acção educativa, na abertura e direcção de várias escolas, destacando-se uma aula de instrução primária para rapazes.

Em Aveiro, a Madre Inês revelou-se como grande pedagoga, durante os vinte e cinco anos (1884-1909) de direcção no Colégio de Santa Joana Princesa. Conservando tudo o que era digno de ser respeitado pelo valor histórico ou artístico, soube transformar o vasto Convento de Jesus em salas de aula, orientou um estabelecimento de educação aberto a todas as classes sociais com grande sabedoria e inteligência.

O que sobressai, porém, na sua vida é a dimensão da sua caridade que a tornou muito querida de todos: «Diversas pessoas, ao serem recebidos por ela, confessavam que se julgavam em frente da Rainha Santa Isabel de Portugal, tal a delicadeza do seu porte. Havia nela uma simpatia, uma suavidade e doçura que a todos conquistava. Muita gente da cidade procurava o seu conselho. Os pobres viam nela uma mãe! Quantas lágrimas secou, quanta pobreza envergonhada socorreu! A Madre prioresa, como era conhecida em toda a cidade, era a consolação de todos os aflitos e a alegria de quantos a conheciam.»

A sua obra caritativa, a competência e o método educativo, baseado no amor pela criança e pela jovem que se revelava em respeito, atenção, dedicação, foram manchete em vários jornais.

O Papa Francisco deu o significativo título à sua notável encíclica Fratelli Tutti – Todos irmãos. E os jornais da época dizem isso mesmo da Madre Inês Duff: Amava as criancinhas como a melhor das mães, queria aos pobres e aos desgraçados como se todos fossem seus irmãos. Tinha requintes de galanteria para grandes e pequenos, interessava-se pela felicidade e bem estar de conhecidos e desconhecidos. Não havia virtude que não possuísse, caridade que não exercesse.

Podemos dizer que a Madre Inês viveu um amor que valorizava todas as pessoas, que semeou a paz, andou junto dos pobres, abandonados, doentes… dos últimos. Ela, qual bom samaritano, assumiu como própria a fragilidade dos outros, fazendo-se próxima de todos os que se encontravam caídos nas margens da vida. Reconheceu em cada irmão abandonado ou excluído o próprio Cristo.

O jornal O Progresso de Aveiro escreveu: “…espírito moderno, pessoa da sua época e possuidora de uma casta e sólida ilustração que se associou com a maior espontaneidade às alegrias e às dores dos aveirenses”. Estamos muito gratas por esta homenagem a mais um fruto de santidade da árvore de S. Domingos, tão verdejante em Aveiro.

Lisboa, Maio de 2021

                                                                                          Ir. Rita Maria Nicolau


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: